Reportagem com Cassandra Rios: Qual o Pecado de Odete?

- Cassandra? Ela seduziu e roubou a mulher do próprio irmão. (E ela nem tem irmão.)
- Cassandra Rios? Ela tem um harém de lindas menininhas.
- Seus livros? Pura autobiografia: tudo que ela conta, ela faz. (E quando seus personagens matam?)
- Cassandra não existe; é um homem que escreve aquilo tudo.

Surgiu um mito Cassandra, e virou manchete de jornal: “Cassandra Rios procurada pela Delegacia de Costumes!”

A reportagem Cassandra: Qual o pecado de Odete? publicada em março de 1970 pela Revista Realidade traz a trajetória da autora sapatão que se tornou a primeira mulher a atingir 1 milhão de exemplares de livros vendidos no Brasil e única mulher no época a viver exclusivamente de livros (apenas Jorge Amado e José Mauro de Vasconcelos a acompanhavam nesse título). Os romances lésbicos são tematizados desde sua primeira publicação Volúpia do Pecado em 1947, escrito quando a escritora tinha 16 anos. Em meio às páginas da revista nos é contado que esta obra foi publicada mediante declaração falsa de idade de Cassandra no contrato para não haver problemas com o Juizado de Menores. Além de uma breve biografia passando por casamentos arranjados a múltiplos processos e censuras, a reportagem também traz uma entrevista com a autora questionando sobre a homossexualidade e como era a questão na época: “Não é que tem aumentado (homossexualismo). É que, à medida que o assunto é debatido e estudado com seriedade, as pessoas tomam coragem de se revelar, vencem o mêdo reverencial que as mantinha à margem da vida, e passam a viver dentro de sua verdadeira situação.”