Hemeroteca Anuar Farah

Diante da quantidade significativa de jornais surgiu a necessidade de se criar uma associação que teria como objetivo padronizar as publicações já existentes e incentivara produção de novos jornais, a Associação Brasileira de Impressa Gay (ABIG). Criada em 1967, tratava-se de uma associação formada pelo conjunto dos jornais “entendidos” existentes. (…) Anuar, presidente da associação, teve a oportunidade de viajar para diferentes cidades brasileiras, conhecendo outras Turmas e jornais. Thiago Soliva, 2012

Era no apartamento em Copacabana de Anuar Farah que funcionava a sede da ABIG – Associação Brasileira de Impressa Gay, custeada pelos periódicos associados para defender objetivos comuns. Na hemeroteca que o homenageia estão presentes os raros Jornal do Gay, Lampião da Esquina, Jornal do Homo, Jornal Marilyn Monroe, além das revistas Rose, Suigeneris, Super Gay, G-Magazine, entre outras. Também hea exemplares dos zines Giboia, Sapatoons Queerdrinhos, arte sequencial de Linn Arruda, além de boletins da Facção Homossexual da Convergência Socialista e do Boletim Quimbanda-Dudu.

O Brasil perdeu sua última grande vedete, Rogéria

Teme a morte? Rogéria: Só gostaria que ela me avisasse três horas antes. E que não viesse na forma de caveira, com foice, mas como o fantasminha Pluft. Eu me arrumaria toda. Queria ser enterrada num caixão de vidro. Antes que endurecesse, as bichas me esticariam. Meu irmão faria a maquiagem. Na lápide, estaria escrito:

Reportagem com Cassandra Rios: Qual o Pecado de Odete?

- Cassandra? Ela seduziu e roubou a mulher do próprio irmão. (E ela nem tem irmão.) - Cassandra Rios? Ela tem um harém de lindas menininhas. - Seus livros? Pura autobiografia: tudo que ela conta, ela faz. (E quando seus personagens matam?) - Cassandra não existe; é um homem que escreve aquilo tudo. Surgiu um

Ivaná, pioneira da arte transformista no Brasil

Ivaná, pioneira da arte transformista no Brasil, na capa da revista Manchete, no. 75, Rio de Janeiro, 26 de setembro de 1953.